COVID-19: estudo descritivo das hospitalizações em Unidades de Terapia Intensiva, no estado do Amazonas, região Norte do Brasil, 2020

  • Vaccine preventable diseases
Export to CSV
Antecedentes:
O Amazonas foi um dos estados brasileiros mais afetados pela pandemia de COVID-19. Até outubro/2020, haviam sido confirmados 161.683 casos, 4.543 óbitos e 2.461 hospitalizações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Foi realizada uma investigação que objetivou descrever as características clínicas e epidemiológicas dos casos confirmados de COVID-19 hospitalizados em UTI na capital do Amazonas, entre setembro-outubro/2020.

Métodos:
Estudo descritivo realizado em dois hospitais de referência para hospitalizações de casos de COVID-19 em UTI em Manaus, entre setembro-outubro/2020. Definiu-se como caso: paciente hospitalizado em UTI nos hospitais selecionados com diagnóstico confirmado para COVID-19 e desfecho definido. Selecionou-se amostra aleatória simples com prevalência de 50%, erro-padrão de 5% e intervalo de confiança de 95% (IC95%). Os dados foram coletados por meio de questionário padronizado com base nos prontuários hospitalares, e analisados utilizando medidas de estatística descritiva.

Resultados:
Do total de 364 pacientes hospitalizados, foram selecionados 222; 22 não atenderam a definição de caso. Foram incluídos na investigação 200 pacientes, 149/200 (74,5% [IC95%: 67,8-80,3]) no Hospital A e 51/200 (25,5% [IC95%: 19,6-32,1]) no Hospital B. Residiam em Manaus 104/149 (69,8% [IC95%: 61,7-77,0]) e 44/51 (86,2% [IC95%: 73,7-94,3]), respectivamente. O sexo masculino representou 83/149 (55,7% [IC95%: 47,3-63,8]) e 35/51 (68,6% [IC95%: 54,1-80,8]); a idade ≥60 anos, correspondeu 78/149 (52,3% [IC95%: 44,0-60,5]) e 32/51 (62,7% [IC95%: 48,0-75,8]), respectivamente. As comorbidades estavam presentes em 121/149 (81,2% [IC95%: 74,0-87,1]) e 41/51 (80,4% [IC95%: 66,8-90,1]) dos pacientes, e 116/149 (77,9% [IC95%: 70,3-84,2]) e 46/51 (90,2% [IC95%: 78,5-96,7]) evoluíram com complicações. A letalidade foi: 99/149 (66,4% [IC95%: 58,2-73,9]) no Hospital A e 36/51 (70,6% [IC95%: 56,1-82,5]), no B. Foram encaminhados para reabilitação 27/50 (54,0% [39,3-68,1]) e 5/15 (33,3% [11,8-61,6]) respectivamente.

Conclusões:
Este estudo descreveu as principais características clínicas e epidemiológicas dos pacientes hospitalizados em UTI em decorrência da COVID-19 no Amazonas. Em ambos os hospitais os pacientes apresentavam características semelhantes, fato que pode estar relacionado aos fatores de risco para gravidade e a história natural da doença, corroborando à literatura. Recomenda-se investigar complicações pós-COVID-19 em pacientes após a alta hospitalar.

Please abstracts [at] tephinet [dot] org (email us) if you have any corrections.

If this abstract has been converted into a full article, please abstracts [at] tephinet [dot] org (email us) the link. We would love to help promote your work.